segunda-feira, 16 de julho de 2012

[Resenha] Orgulho e Preconceito - Jane Austen

Sinopse: Orgulho e Preconceito (1813) é a envolvente história de Fitzwilliam Darcy e Elizabeth Bennet, os quais, à primeira vista (aliás, First Impressions, "Primeiras impressões", foi o título originalmente dado por Jane Austen a esta obra), não têm uma boa opinião um do outro, mas, no desenvolvimento do enredo, acabam descobrindo que estavam totalmente enganados
Orgulho e Preconceito é a obra mais aclamada desta autora, não só no Reino Unido como em todo mundo, e tem sido frequentemente adaptada para o cinema, televisão e teatro, com grande sucesso de público e crítica.


Resenha: 
Jane Austen é, indiscutivelmente, uma das escritoras clássicas mais geniais da literatura mundial. Orgulho e Preconceito  faz  jus a todos os elogios dispensados à autora. Narrado em 3ª pessoa,  o romance  revela um olhar crítico sobre a sociedade inglesa do século XVIII: uma sociedade hipócrita. 
A história gira em torno de Elizabeth Bennet, uma jovem de família tradicional, que possui uma mãe bastante fútil e preocupada (lê-se desesperada) somente em arrumar um bom casamento para as cinco filhas. Elizabeth ou simplesmente Lizzy é uma típica heroína: inteligente, divertida e corajosa, fala o que pensa e molda seus conceitos independente dos padrões convencionais.
E é em uma ironia do destino que a jovem conhece Darcy, um homem bonito e rico, porém, arrogante e prepotente. Ao se conhecerem, o sentimento de desprezo é de ambas as partes. Lizzy simplesmente não o suporta, assim como Darcy não sente nenhum tipo de atração por ela. Um romance fadado ao fracasso. Além das sutis ironias e jogos de intrigas lançados durante o enredo, é incrível ver como as primeiras impressões que um tem do outro vão se desconstruindo, e despretensiosamente, dando lugar a um sentimento de admiração mútua.
Apesar de ser um clássico, o livro não é cansativo, mas a história corre bem lentamente. Talvez porque a Jane seja um tanto sentimental, então, a trama se desamarra de dentro para fora. Por isso, não espere um romance de tirar o fôlego, com passagens que te deixam com o coração a mil. Esse é uma dos maiores pontos negativos que ouço falar, mas vejo como a grande tirada do livro, pois ele tenta mostrar a vida como ela realmente é,  sobretudo as pessoas e seus interesses. 
Já li três vezes e está no topo dos meus livros preferidos. Uma combinação perfeita de humor, crítica e romance.

4 comentários:

  1. Orgulho e Preconceito também está no topo dos meus livros favoritos. Mas, li apenas uma vez. Quanto ao filme, acho que já assisti umas 10 vezes. Um dos poucos filmes baseados em livros que valem a pena assistir. Já o filme Razão e Sensibilidade, também baseado em um livro da Jane Austen, deixou a desejar. Adorei sua resenha! beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Acho que foi o livro que mais li. rsrs E, realmente, o filme é maravilhoso, um dos meus preferidos!! Não assisti ao filme baseado em "Razão e Sensibilidade", mas o livro é bom, ainda que não seja nem um pouco melhor que Orgulho e Preconceito. rs =*

    ResponderExcluir
  3. Fernanda, na verdade eu acho Orgulho e Preconceito o livro mais completo dela. Mas, confesso que me diverti muito com as indiossincrasias da Marianne. No filme, quem faz a Marianne é a Kate Winslet. Acho que ficou a desejar porque eles não conseguiram abordar o lado cômico dela. Se você tiver a oportunidade de assistir, depois me conta o que achou. beijos

    ResponderExcluir